sábado, 23 de junho de 2012

AMOR!


   O lançamento recente de um livro despertou-me pra algo que até então eu não havia parado para refletir com calma. Trata-se do livro @mor, que traz na capa a seguinte questão; “Se você já encontrou a pessoa perfeita, porque se arriscar a conhecê-la?”

   O livro trata de um tipo de amor que certamente a maioria das pessoas já viveu. Amor virtual. Aliás, parando para pensar, isso pode ser realmente considerado amor...? Quer dizer, você passa a ter calafrios, sentir borboletas no estômago, fantasiar coisas que talvez nunca venham a acontecer, com uma pessoa que você nunca se quer viu! Nunca sentiu o cheiro, o toque...

   Você começa pensando ser besteira, nada sério, mas aí chega o momento em que você se recusa a conhecer novas pessoas por se sentir preso a aquela criatura que conheces apenas virtualmente. A PORRA PARECE FICAR SÉRIA! Mesmo você repetindo a si mesmo incansavelmente que isso não passa de uma ilusão.

   Mas como as pessoas gostam de se iludir, não é?

   Como é bom pensar que a pessoa perfeita te espera do outro lado da tela. A pessoa compreensível e amorosa com a qual você viverá uma dessas histórias de cinema, ou que se lê em livros. Como é bom pensar que finalmente você irá descobrir o amor, o verdadeiro amor! Como diria Christian, “O amor é como oxigênio. O amor é uma coisa esplendorosa. O amor nos leva as alturas. É tudo o que precisamos!”

   Então, mesmo que por alguns instantes acredita-se que esse amor está perto, que finalmente irá vivenciá-lo, que finalmente aquele sonho de adolescente parece estar se tornando algo palpável...

   A pior coisa de todas é o terror (sim, ABSOLUTO TERROR!) que você sente diante a uma encontro com a pessoa com a qual tanto já se fantasiou. E se eu não for isso que ele espera? E se eu decepcioná-lo? E se ele sair correndo assim que me ver e tropeçar na rua e ser atropelado por um caminhão de porcos?????? Ah, meu Deus, tudo isso passa pela sua cabeça, todas as possibilidades possíveis, TUDO, t-u-d-o, T/U/D/O! É praticamente uma tortura.

   É essa coisa maldita chamada insegurança.

   O jeito é contar até 58494632628 e tentar se acalmar, respirar fundo até que tudo aconteça. Você está ciente de suas intenções e atitudes, mas é impossível saber o que se passa na cabeça da outra pessoa. Seria tudo tão lindo se as coisas acabassem como nos contos de fadas “E eles foram felizes para sempre...” mas não!

   O jeito é esperar, e continuar a fantasiar, a não ser que a pessoa em questão mude seu status no facebook para ‘’em um relacionamento sério com uma bitch qualquer.’’  Aí fudeu L


Para quem quizer saber mais sobre o livro citado acima, eis aqui o endereço dele no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/230624-amor
 Beijos nervosos desse que vos escreve.
 Não que essas coisas citadas acima alguma vez aconteceram comigo, imagina, que piada! hahahah

2 comentários:

  1. Oi Ale!
    Ah, os amores virtuais... (suspiros)
    Hoje em dia é fácil se apegar às pessoas que "conhecemos" virtualmente porque elas parecem infinitamente mais simpáticas por aqui. Eu sou mais simpática virtualmente, acho que é inevitável ser mais simpático numa rede social.
    Difícil é ficar imaginando como vai ser o primeiro encontro, a carinha dos filhos, o vestido de noiva hauihauihiahuaihiahiahihaiha
    Tá, parei.

    Acho que nunca tinha lido um texto seu, você escreve muito bem. :)

    Beijocas!

    Ismália .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois bem, é difícil entender como alguém que você nunca ao menos viu pessoalmente consegue mexer tanto contigo.
      *mais suspiros*
      As vezes me sinto um desses adolescentes de treze anos, OH God!
      ahsuhaoshaoush

      Obrigado Ismália, volte sempre!
      beijos!

      Excluir