quinta-feira, 23 de outubro de 2014

#1 Resenha - Ratos


            Um livro é uma inesgotável fonte de sabedoria, é como se neles conseguíssemos encontrar todas as respostas para os infindáveis questionamentos existenciais que surgem ao longo de nossas vidas.
            Sempre tive muita, MUITA dificuldade em verbalizar as coisas que sinto, e são justamente essas palavras não ditas que muitas vezes comprimem meu peito e apertam a garganta. Então, especialmente para mim, os livros – cada um que passa pelas minhas mãos – tem um gosto e uma significação especial. Eu encontro um pouco de mim em cada um deles, e eles se encontram dentro de mim – é uma relação extremamente recíproca. Um livro é como um refúgio, um melhor amigo, a melhor de todas as companhias. Sei que essas palavras podem soar clichês, mas somente para pessoas que não sabem o que é isso, que não sabem o quão magnífica podem se tornar nossas relações com os vários mundos que nos são apresentados nesses fascinantes amontoados de páginas.
            Feitas essas breves (e necessárias) palavras introdutórias, vamos a primeira resenha do Delirium!



Autor: Gordon Reece
Editora: Intrínseca
Ano: 2011
Páginas: 238
Valor: 9,90 (no submarino)


            Ratos é uma leitura questionadora sobre a existência humana; Shelley (cuja história é narrada sob sua perspectiva) intitula a si e a sua mãe como “ratas”, pois viveram uma vida toda sendo coagidas, aceitando o que lhes era imposto sem questionamento algum, sem nenhuma reação à determinada situação, simplesmente acatavam e recolhiam-se – escondendo-se em sua toca.
            O trecho inicial do livro foca principalmente nas situações de bullying que Shelley sofre na escola, e na separação de seus pais, bem como a mudança de mão e filha para o chalé Madressilva, á 30 minutos da cidade. Sempre calada, Shelley aceita condescendentemente as agressões das garotas envolvidas restringindo-se somente a registrar os acontecimentos em seu diário.

“Penso que quanto maior o trauma, menos adequadas as palavras se tornam, até enfrentarmos o maior de todos os testes, quando apenas o silêncio parece apropriado”
P. 27

            Tal silêncio só é quebrado quando Shelley sofre um sério atentado na escola, que além de marcas psicológicas deixa-lhe cicatrizes no rosto. Neste momento pode-se pensar que as garotas envolvidas serão finalmente punidas, que a mãe de Shelley irá tomar uma atitude, assim como a direção da escola, porém nada disso acontece; quem acaba saindo da escola a poucos meses dos testes finais é Shelley, pelo simples fato de a direção não querer ter o nome da escola envolvido em um escândalo e pela mãe de Shelley não se impor contra toda aquela situação; A garota acaba acreditando na impunidade, e até prefere que as coisas sejam assim mesmo, prefere ter professores que lhe deem aula em casa para que não precise sair, para que não precise abandonar o aconchego da sua toca. E foi justamente essa reclusão da personagem principal, bem como a maneira como ela coloca as palavras que fez com que me identificasse:

(...) não importa o quanto somos próximos de alguém, sempre existirão limites – fronteiras que simplesmente não somos capazes de atravessar, questões que nos tocam tão profundamente que não podem ser compartilhadas. Talvez, pensei, aquilo que não conseguimos compartilhar com os outros seja o que realmente define o que somos.
P.33

            Como dito no início da resenha, eu tenho sim muita dificuldade em colocar em palavras exatamente aquilo que sinto o que de certa forma eu atribuo aos mesmos motivos que Shelley apresenta no livro; tanto o Bullying sofrido de modo calado na escola quanto os problemas familiares.  As emoções misturam-se e atingem um limite em que as palavras não conseguem alcança-la, e como a personagem narra em determinado momento, são tantas emoções reprimidas que uma vez abertas as comportas era impossível saber como coloca-las em palavras, e suas explosões acabam sendo incoerentes, e, aos olhos de outas pessoas, totalmente fora de contexto quando na verdade não o são! Era exatamente nesses momentos que eu sentia que não somente eu estava lendo o livro, mas ele também me lia, ele dizia coisas que eu queria dizer! Em certos trechos do livro é como se eu estivesse a observar um de meus autorretratos.
            Mas eis que chegamos à parte em que estória muda completamente de rumo; é a madrugada do aniversário de 16 anos de Shelley e por volta das três da manhã a garota acorda com o costumeiro barulho do quarto degrau da escadaria de sua casa, em seguida vê a luz do corredor ser acendida, ouve a porta do quarto da sua mãe ser aberta e ela gritando. O gato entrou na toca dos ratos. E é exatamente aqui que aos meus olhos a narração de Reece torna-se irresistível, com uma fluidez e espontaneidade que fazem com que você não consiga parar de ler até ser vencido pelo cansaço. Desta vez, as oprimidas é que se tornam as agressoras e acabam se enredando numa trama que parece não ter saída até que o autor nos apresenta um final que questiona os limites entre o certo e o errado, abrindo nossos olhos para a questão de que o conceito de ambos não está ligado somente aos princípios que cada um de nós mantém, mas principalmente à condição em que você se encontra, seja do lado mais forte ou do lado mais fraco.
            Com uma narradora que ora perturba, choca, causa empatia, a estória tem esse poder de nos envolver, e também de caracterizar essa “anestesia” pela qual muitas pessoas parecem estar passando;

Era como se eu houvesse passado por tanta coisa que fora drenada de emoções, e, no lugar delas, a resignação caíra como um manto de neve, deixando-me anestesiada, protegendo-me da dor que estava por vir. Imaginei se as pessoas prestes a serem executadas sentiam essa mesma calma (...).

p.228

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Nota Sobre a Ausência

         Depois do ocorrido sentou-se frente à TV de sua casa e por várias horas ficou a observá-la, porém sem nada ver. Era como se tivesse voltado a viver em outra a dimensão – aquela que nunca, em hipótese alguma, deveria ter saído.
            Eram quase duas da manhã quando se deu conta de que deveria acordar cedo para se dirigir ao trabalho na manhã seguinte. Desligou a TV e esticou-se para a mesa de centro, tomando seu computador nas mãos; acessou suas principais redes sociais e desativou-as, era preciso sumir por algum tempo, afinal era assim mesmo que se sentia; invisível.
            O computador aberto em seu colo era a única fonte de luz no local agora, e, assim que o fechou, as sombras deitaram sobre si, mas agora elas não pareciam mais pesadas a amedrontadoras como quando criança. Agora, as sombras, o escuro, a reclusão, pareciam estranhamente reconfortantes. De um modo ou de outro sempre acreditou mais no poder das trevas que na luz. Era na escuridão, nos momentos em que se encontravam totalmente sozinhos e sem conseguir enxergar um palmo a frente dos olhos que as pessoas passavam pelas maiores provações, e somente pessoas que passaram por tais situações poderiam compreendê-lo.
            Não há utilidade – tampouco sentido – em discutir com pessoas que sempre tiverem tudo na vida, pensou antes de se levantar e se dirigir ao banheiro.
            Sem esbarrar em canto algum ele encontrou a porta do banheiro, abriu o pequeno armário que guardava seus objetos de higiene pessoal, escovou os dentes, depois lavou o rosto. O pequeno facho de luminosidade que entrava pela janelinha a sua esquerda iluminava parte de seu rosto no meio de todo aquele breu como a cena de uma pintura barroca. Pôde vislumbrar o inchaço de seus olhos e o brilho enaltecido por uma lágrima que insistia em sair; levou o dedo ao olho e recolheu-a, observou aquela gotícula na ponta de seu dedo e levou-a a boca, queria sentir – literalmente – o gosto da sua dor.
            Finalmente decidiu-se deitar, fechou a porta do quarto as suas costas, despiu-se e se lançou para a cama. Seus olhos já estavam habituados à escuridão, de modo que podia vislumbrar a silhueta dos móveis, e, por um segundo, foi como se pudesse ver os movimentos dele dentro de seu quarto, fechou os olhos e deitou-se para o canto da cama a fim de deixar um espaço ao seu lado para que ele pudesse se aninhar ali. E naquele breve instante foi como se realmente pudesse Senti-lo do seu lado; o toque, o cheiro, a textura de sua pele. Porém tal sensação foi apenas momentânea, logo se lembrou de que era ele quem havia deixado aquele arrombo em seu peito.
            O amor ainda existia, podia senti-lo latente em seu corpo, porém não havia mais volta. Por mais que houvesse arrependimentos de ambas as partes, ele não se permitiria entregar seu coração e ficar a mercê das decisões de alguém novamente.

Se tinha de permanecer sozinho, faria da solidão sua armadura. 

"O que Está Fora se Expande"  - Ale Schappo

sábado, 11 de outubro de 2014

Inocência Perdida

            Percebe que dentro de mim algo mudou?
            É esta lacuna, esse espaço em branco que divide o tempo e o espaço entre você e eu. Foi como um corte lento e profundo, visceral e devastador. Metodicamente fez-se a incisão, lâmina afiada perfurando as camadas mais profundas da pele, perpassando minhas costelas até encontrar o músculo-mor.
          Meu amor, anestésico mortal, impediu que eu percebesse o que realmente aconteceria antes que o estrago se fizesse efetivo. Essa poesia de cego, você não viu.
            Incisão feita, seus dedos avançam como cobras para dentro de meu peito, tomando-o para si.
Sente?
Agora pulsa em suas mãos.
Diante meus olhos, diante daquele que outrora fora seu dono.
Em seu rosto não há nenhum sorriso sádico tampouco nenhuma expressão culpada. Fizeste tudo como se cumprisse um ritual, um costume, um hábito. Talvez realmente fosse isso, essa vontade voraz de ter nas mãos essa granada – esse último suspiro. É a perca de um traço da sua essência, ou talvez uma nova moldagem da mesma.
Olho para o meu peito, para o espaço vazio donde o líquido escarlate brota e escorre por meu corpo, e tenho total consciência de que tal estrago não pode ser revertido, que a marca permanecerá ali até o fim do registro do meu tempo. Vejo-o virar as costas antes que eu possa dizer palavra – já não há o que ser dito. Antes que suma da periferia da minha visão uma certeza, cega e mordaz, se faz latente dentro de mim; irei toma-lo de volta, resgatar o que é meu nessa batalha de deuses e monstros.
O que eu verdadeiramente quero é a inocência perdida.

"Untouchable", Kyle Thompson