sábado, 3 de novembro de 2012

Sou Todo Errado


  
   Uma promessa de se ver novamente.

   Um sorriso.

   Uma última olhada para trás.

   E então... Bom, não houve então. Era isso, parecia que tudo acabava por ali. Não era nem de longe uma dessas histórias de amor. Na verdade nem história era. Nem amor. Sabe-se lá o que foi. Tudo o que eu queria era conseguir verbalizar o que sentia. Transpor em palavras os sentimentos que mais me perturbavam. Mas não, mantive-me calado. Mais uma vez.

   Ambos víamos o mundo, porém não sob a mesma luz.

   Pernas como bambus ao vento, estômago habitat de borboletas. Voz que insiste em não sair. Olhar que não corresponde.

   Inexperiência, insatisfação e dor.

   Autocomiseração ao invés de autoconfiança.

   E o que teria tudo pra se tornar uma (mesmo que breve) história de amor, acaba por ali mesmo. A partir de então foi como se não nos conhecêssemos mais, e a cada vez que me pergunto o porquê, a dor aumenta. Aumenta e transborda, fazendo-me sentir como o culpado de tudo, o garoto todo errado que não nasceu pra amar e nem é bom o suficiente pra fazer isso.

   Eis a conclusão; eu sou mesmo todo errado e esse não é o momento certo.

   Desculpe-me.

Um comentário: