sábado, 2 de fevereiro de 2013

Tudo Aquilo Que Nunca Foi Dito

 
 

  

   Há algum tempo gostaria de falar sobre as palavras que insistem em travar na minha garganta, e, que cedo ou tarde podem me sufocar. Gostaria de me livrar desse terrível mal: O de não conseguir verbalizar o que se sinto.
   Talvez por incompetência, falta de experiência, ou porque não chegou o momento certo de lhe dizer tudo. Os motivos eu desconheço. Prometi a mim mesmo que seria corajoso e levaria essa história até o final. Prometi que nada abalaria o amor que sinto por ti, e que jamais permitiria que as pessoas tentassem desestruturar as coisas nas quais acredito.
   Eu prometi tantas coisas...
   Dos escritos arquivados, do sentimento gravado á tinta no papel, de tudo aquilo que lhe escrevi, mas não tive coragem de entregar. Cada palavra lutando dentro de mim, abrindo caminho garganta afora como se tivessem garras e vacilando na ponta da língua, cada grito ensaiado frente ao espelho... Cada tentativa falha de provar que lhe amo. Tudo aquilo que nunca foi dito acumula-se em meu peito e me infecta como uma doença terminal.
   Eu morro todos os dias á sua espera, ansiando por um único beijo, um encontro, ou uma simples troca de olhar, e, se possível, ouvir de sua boca apenas duas palavras; “Eu também”. Eu morro todos os dias ao perceber que nada disso jamais acontecerá, e, principalmente, por constatar que a maioria das minhas promessas foram quebradas.
   Já não sei mais em que acredito, se é que acredito em algo. Permiti que colocassem em dúvida minhas crenças, fui incapaz de provar o meu amor e pior de tudo, deixei que ele se transformasse em algo ruim, pois meu sentimento não me dá o direito de posse sobre ti. E agora, bom, já é tarde pra qualquer mudança de ideia.
   Só tenho de me desculpar.
   Por não saber o que dizer e por eventuais incômodos.
   Eu sinto muito,


3 comentários:

  1. Oi Ale!

    Eu tenho esse problema, às vezes não importa o quanto eu queira dizer alguma coisa, ela fica presa na garganta. Talvez eu trave assim por ter medo de ser inconveniente, ou de parecer idiota, ou de estar incomodando, não sei. E devem existir umas trocentas explicações pra esse "fenômeno". O difícil é sentir que aquilo que não foi dito volta como veneno pra dentro e nos mata aos pouquinhos. :(

    Belo texto. :)

    Beijocas!

    Ismália .

    ResponderExcluir